Header Blog do Max

   

Como montar quadro de distribuição monofásico

Você sabia que a maioria dos eletricistas tem muita dificuldade para fazer o fechamento de quadros elétricos da maneira correta? Por isso, confira o passo a passo para montar um quadro de distribuição monofásico, 127V de 4 circuitos, sendo: iluminação, chuveiro e dois para tomadas de uso geral.

O primeiro passo é escolher o quadro no tamanho adequado. O quadro pode ser de embutir ou sobrepor, dependendo da sua instalação. Como serão 4 circuitos monofásicos, teremos: 

Todos esses componentes ocuparão 9 espaços no trilho DIN, então um quadro de 12 chaves atenderia o projeto. No entanto, se você quiser ter espaço reserva, opte por um quadro para 24 disjuntores. 

Faça a montagem dos trilhos, encaixando e parafusando. Fixe também os barramentos de neutro e terra. Com os cabos passados e chegando ao quadro, chegou a hora de organizá-los e identificá-los com as anilhas. Uma boa forma é:

Anilha 1: Circuito de iluminação, disjuntor 10A e cabo de 1,5mm fase e neutro.

Anilha 2: Circuito de tomadas A, disjuntor 20A e cabo de 2,5mm fase e neutro.

Anilha 3: Circuito de tomadas B, disjuntor de 20Ae cabo de 2,5mm fase e neutro.

Anilha 4: Circuito do chuveiro, disjuntor de 40A e cabo de 6mm fase e neutro.

Após a identificação, o próximo passo é organizar os condutores. Você pode conferir tudo que precisa saber sobre a cor dos cabos conforme a norma da ABNT aqui. Você pode começar pelo neutro, juntando todos e amarrando. Você pode utilizar uma abraçadeira rapstrap e economizar material ou outra forma que desejar. Uma boa dica é dar uma volta com os condutores na lateral do quadro e deuxar as pontas próximas ao barramento para cortar.

Jogue as anilhas para trás do ponto de corte dos cabos, meça o comprimento dos cabos no barramento e cprte um por um. Em seguida, decape todas as pontas de acordo com o comprimento dos terminais e crimpe as pontas. Com os cabos já crimpados, parafuse-os no barramento destinado aos cabos neutros. Coloque um cabo de 16mm abaixo do trilho superior para conectar na saída do IDR.

Repita o procedimento para o aterramento, com um cabo 16mm verde direto do padrão ou haste conectado no barramento terra e distribua o aterramento para os outros circuitos.

Corte então mais um pedaço de cabo e crimpe as pontas com terminais duplos para aterrar os DPS. Como temos dois DPS, você pode fazer uma ponte no cabo 4mm que é o mínimo recomendado para o DPS e descer com apenas um cabo direto para o barramento de terra, deixando-os interligados. Outra dica é moldar as curvas dos cabos para dar um acabamento melhor na hora de encaixar no barramento, e por fim é só parafusar no barramento mais esse cabo também.

Defina o local exato de cada componente do quadro e comece então a mexer na alimentação dele. Coloque o disjuntor geral em um ponto para medir onde cortar o cabo de fase que vai alimentá-lo. Esse cabo preto é 16mm, e deve receber a anilha como fase A, decapado e crimpado com terminal tubular para a parte superior do disjuntor. Saia com esse cabo 16mm já com a ponta crimpada também por baixo desse disjuntor geral e na outra ponta dele coloque um terminal genérico para entrar junto a um barramento bipolar por cima do IDR e derivar através desse barramento para os DPS. Use um barramento bipolar para interligar a fase e o neutro que chegam do IDR ao DPS.

Conecte o cabo azul de 16mm para neutro na saída do IDR e leve direto ao barramento de neutro. Pegue também mais um pedaço de cabo 16mm preto para interligar a saída da fase do IDR aos disjuntores dos circuitos, com terminais tubulares.

Muitas pessoas dizem que não se pode cortar barramento. No entanto, barramento foi feito pra cortar sim. Se você escolher um barramento monofásico em L, o acabamento dele sobre os disjuntores é melhor, economizando no conector genérico. Note que entra apenas o cabo preto de fase com um terminal tubular vermelho. Esse cabo vem da saída do IDR e entra sobre o primeiro disjuntor e a partir daí o barramento distribui a energia para todos os outros disjuntores. Isole os dentes que sobraram do barramento pente para evitar um contato acidental de outra pessoa ou profissional. 

Por fim, resta apenas conectar os cabos de fase dos circuitos em seus respectivos disjuntores. Conecte cada circuito, um por vez. Confira o aperto final dos cabos mais uma vez em busca de um borne frouxo, e pra finalizar, use o multímetro na escala de continuidade para testar a passagem da corrente elétrica. Teste o disjuntor geral desligado, 

depois ligue ele e terá a passagem da corrente. Em seguida, conecte uma ponta na saída dele e teste a entrada de fase do DPS e do IDR. Ligue o IDR e mais uma vez teste. Teste a entrada dos disjuntores, ligue-os e teste  um por um.

Confira este tutorial também em vídeo:

Gostou deste passo a passo? Continue acompanhando o Blog do Max! Até a próxima!

 

Veja também:

Dimerizadores: conheça as diferenças

Tudo que você precisa saber sobre manutenção elétrica predial



assinaanewsletter          seloobraecompromisso       facebook instagram youtube