Header Blog do Max

Instalação elétrica: aprenda a dimensionar fios

Uma parte muito importante ao planejar instalações elétricas é o dimensionamento de fios por conduíte. Com cálculos errados, a chance de sobrecarga, curto-circuitos e incêndios aumenta consideravelmente. Por isso, confira abaixo a maneira correta de calcular quantos e quais fios devem passar por um mesmo conduíte.

Dimensionando conduítes seguindo a norma

A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) é quem normatiza as instalações elétricas através da NBR 5410, que pode ser consultada na íntegra aqui. Tantas tabelas podem até assustar, mas resumimos o que trata de conduítes abaixo!

Conhecendo a seção mínima por circuito

Seção mínima é a bitola mínima que deve ser utilizada para diferentes circuitos, conforme a tabela 47 da NBR5410:

Conforme a tabela, temos:

  • Para circuitos de iluminação, utilizamos cabos com seção mínima de 1,5;

  • Circuitos de força, como tomadas, necessitam de cabos com seção mínima de 2,5;

  • Já para circuitos de sinalização, campainhas ou fechaduras, a seção mínima é de 0,5.

No entanto, a tabela acima apresenta a seção mínima, não necessariamente a que deve ser utilizada em cada caso, especialmente em circuitos de força.

Primeiro passo: Instalação

Segundo a tabela 33 da norma, dependendo do tipo de instalação, como eletrodutos, eletrocalhas ou se o cabo está enterrado diretamente no solo, utilizaremos um método de referência diferente para seguir com a instalação.

Conforme a instalação, a capacidade de condução de corrente do cabo muda, por isso é essencial consultar a norma.

O método mais comum de instalações residenciais é o 7, com condutores isolados ou cabos unipolares em eletroduto circular embutido em alvenaria, ao qual corresponde o método de referência B1.

Segundo passo: quantidade de cabos por circuito

Para continuar com o cálculo, precisamos saber se teremos 2 ou 3 cabos carregados por circuito. Para isso, utilizamos a tabela 46 da NBR 5410:

Segundo a tabela, circuitos monofásicos, a dois ou três condutores, utilizam dois condutores carregados. Duas fases sem neutro, também 2 condutores carregados. Já se o circuito for de duas fases com neutro ou trifásico sem neutro, adota-se 3 condutores carregados.

Terceiro passo: tipo de instalação e temperatura máxima

Para instalações residenciais, podemos considerar cabos de cobre, revestido de PVC, que são os mais utilizados. Eles devem suportar temperatura máxima de 70 °C e temperatura ambiente de 30°C. Para esta instalação, utilizaremos a tabela 36.

A temperatura é um fator muito importante, pois ela modifica a capacidade de condução de corrente do cabo.

Quarto passo: análise de fator de correção

Conforme a quantidade de circuitos passando no mesmo eletroduto, mais ele esquenta, o que modifica a temperatura e influencia na condutividade dos circuitos. Para fazer esse ajuste, utilizamos a tabela 42 da NBR 5410.

Não consideraremos a queda de tensão por estarmos falando sobre circuitos domésticos, cujas variações por queda de tensão não costumam ultrapassar os limites toleráveis.

Quinto passo: qual a corrente passará pelos cabos?

Para calcular a corrente que passará pelo cabo, podemos utilizar a potência do aparelho e a tensão conhecidas.

Exemplo de dimensionamento de conduítes

Corrente de projeto (nominal): 20A

Isolação: PVC

Número de circuitos no eletroduto: 4

Instalação em eletroduto embutido: método B1

Com os dados acima, voltamos à tabela 36 e buscamos o valor mais próximo de 20 ampéres, arredondado para cima:

Com esses dados, encontramos 24 ampéres e o cabo de 2,5 mm², que a princípio, seria o cabo a ser utilizado. No entanto, atenção! Ainda falta analisar a tabela 42, com o fator de correção!

No exemplo, temos o fator de correção de 0,65, que deve ser multiplicado na capacidade de condução de corrente do cabo. Dessa forma:

24*0,65 = 15,6 ampere.

Isso significa que, nesta instalação, o cabo não conduz 24 ampere e sim, 15.6 ampere.

Como precisamos conduzir 20 ampere, precisamos aumentar o bitola do cabo.

Voltando na tabela, vemos que um cabo de 4mm² suporta 32 ampere. Multiplicado pelo fator de correção de 0,65, temos:

32*0,65 = 20,8 ampere.

Dessa forma, concluímos que neste circuito precisamos utilizar cabos de 4mm².

Dimensionar corretamente os cabos é essencial para não sobrecarregar os circuitos nem gastar mais energia do que o necessário nas instalações! Fique de olho aqui no blog para adquirir ainda mais informação e conhecimento!

assinaanewsletter          seloobraecompromisso       facebook instagram youtube