Iluminação externa

A iluminação é um recurso importante na parte interna de uma obra, mas você já parou para planejar uma iluminação externa?

Este tipo de iluminação serve não apenas para decorar jardins e fachadas, mas também para manter uma certa claridade durante a noite, garantindo mais segurança às pessoas que transitam pelo ambiente externo quando já anoiteceu.

Seja para iluminar passagens, escadas, área gourmet, piscinas, fachadas, jardins, varandas ou outros elementos externos, é fato que escolher bem os tipos de lâmpadas e sua organização no espaço são pontos chave para uma iluminação externa bem feita.

Neste artigo, você irá conferir dicas de iluminação externa, os tipos de lâmpadas mais usados e até mesmo dicas para iniciar seu próprio projeto de iluminação externa!

Leia também: Reformas de cozinhas pequenas: 7 dicas simples mas essenciais

Importância de uma boa iluminação externa

A iluminação externa raramente tem tanto destaque quanto a iluminação interna. Isso faz sentido, porque é dentro de casa que fica escuro mesmo quando o sol ainda está brilhando. Contudo, a iluminação externa também tem seus propósitos.

Em primeiro lugar, a iluminação externa ajuda na segurança noturna. Com uma boa iluminação, será muito mais fácil perceber se alguma pessoa desconhecida ou um animal adentrou o quintal.

Além disso, ela pode iluminar áreas de circulação externas que, sem iluminação, poderiam apresentar perigos, como escadas externas, piscinas, entre outras instalações.

Por fim, a iluminação externa também pode valorizar o paisagismo e dar um ar mais aconchegante nas áreas de lazer que eventualmente são usadas no período noturno, como churrasqueiras, piscinas, entre outros.

Iluminação externa: 6 dicas para não errar

Quando o assunto é iluminação externa, muitas pessoas podem achar que trata-se de uma etapa simples da obra.

Mas a escolha inadequada pode comprometer a funcionalidade, segurança e até mesmo acabar sendo um dos motivos de quedas e escorregões, já que ambientes escuros são mais propensos a acidentes. 

Por isso, separamos 6 dicas para ajudar a não errar:

1- Defina o estilo do seu projeto

A iluminação externa tem como um de seus propósitos valorizar o paisagismo e a fachada da construção. Por isso, ela precisa ser condizente com o estilo arquitetônico da obra como um todo.

Construir uma residência mais rústica e usar lâmpadas que tem um estilo mais moderno, por exemplo, pode não combinar e ficar parecendo um improviso.

2- Escolha aparelhos e acessórios para áreas externas

A iluminação externa não deve ser feita com qualquer tipo de lâmpada. É necessário ter uma noção de quais tipos de lâmpadas funcionam em um ambiente externo, como elas devem ser distribuídas, entre outros.

Em geral, na iluminação externa, são usadas arandelas (luminárias de parede), postes decorativos de jardim, luminárias de chão, espetos, entre outros.

É importante usar lâmpadas próprias para iluminação externa, pois estas costumam ficar expostas às chuvas, luz do sol, umidade, ventos fortes e, no caso do litoral, à maresia. Desta forma, garante-se segurança e uma maior vida útil para a iluminação externa.

3- Entenda o melhor posicionamento da iluminação

A iluminação deve servir não apenas para permitir enxergar à noite, mas também para valorizar a fachada e a paisagem da construção. Por isso, saber onde posicionar as lâmpadas é de extrema importância para alcançar o efeito desejado.

Lâmpadas perto da porta devem ser pequenas, como arandelas, e servem apenas para iluminar a fachada, não sendo necessário uma iluminação muito forte.

Já em locais como escadas e corredores, por exemplo, a iluminação tem um propósito funcional também, então é preciso investir em lâmpadas que iluminem todo o caminho.

Uma dica é andar pelo ambiente à noite, prestando atenção onde seria necessário adicionar mais iluminação.

Por fim, nos jardins, usar luzes direcionais pode ajudar não apenas a iluminar a região, mas também a destacar as plantas.

4- Dê atenção à segurança

A iluminação utiliza energia elétrica e, por conta disso, precisa estar protegida de situações que podem provocar prejuízos nos circuitos, como é o caso das chuvas.

Usar fios com um bom isolamento e lâmpadas com resistência à infiltração é imprescindível para uma iluminação externa segura e de qualidade.

5- Escolha a temperatura da luz correta

Lâmpadas podem emitir luzes de diversas cores. A temperatura da luz indica se é uma cor mais quente ou mais fria.

Alguns ambientes se beneficiam de luzes mais amareladas, ou seja, tons mais quentes, enquanto outros necessitam de tons mais frios, como o branco ou luzes azuladas.

Vale lembrar que a temperatura da lâmpada também influencia nas sensações que a pessoa pode sentir em um determinado ambiente.

Luzes quentes proporcionam uma sensação de maior aconchego e conforto, enquanto luzes frias têm um efeito energizante.

6- Cuidado com as cores

Usar lâmpadas coloridas pode trazer resultados bem interessantes, mas também pode trazer resultados igualmente desastrosos.

Tudo vai depender da quantidade de luzes coloridas, das outras características do ambiente (como piso, cores das paredes, entre outros) e até mesmo da combinação das cores das lâmpadas entre si.

Iluminação externa: tipos de lâmpadas

Para realmente entender qual a melhor iluminação externa para o seu projeto, antes é necessário conhecer os principais tipos de lâmpadas e suas vantagens. Veja:

Iluminação externa com LED

Conhecido por ter uma grande durabilidade, o LED é um tipo de lâmpada que traz um bom custo-benefício. Além disso, consome menos energia elétrica do que outros tipos de lâmpada.

Iluminação externa com pendentes

Iluminação externa com pendentes

Os pendentes são lâmpadas sustentadas por fios, algo que remete aos antigos lampiões. Essas lâmpadas podem ser bastante versáteis, pois seus modelos podem variar bastante entre um estilo mais retrô ou mais moderno.

Elas também podem ser feitas de diversos tipos de materiais, como cerâmica, plástico, metal, entre outros.

Esse tipo de iluminação externa fica bom em varandas, gazebos, entre outros espaços externos que possuem uma espécie de teto.

Iluminação externa fluorescente

As lâmpadas fluorescentes produzem uma luz fria, tanto no sentido de não dissipar calor quanto no sentido de produzir cores mais frias, como o branco ou um leve azulado.

Iluminação externa com sensores

As lâmpadas com sensores de movimento são bastante úteis, pois acendem apenas quando detectam algum movimento no ambiente.

Desta forma, economiza-se energia elétrica, uma vez que a lâmpada não fica ligada a noite inteira, e diminui-se a poluição visual causada pelas luzes acesas.

Iluminação externa com lâmpadas incandescentes

As lâmpadas incandescentes são aquelas mais clássicas, com uma luz mais amarelada, e que esquentam bastante ao passar muito tempo ligadas. 

Contudo, esse tipo de lâmpada possui algumas desvantagens com um alto gasto energético e durabilidade reduzida.

Atualmente, existem as lâmpadas halógenas que servem de alternativa às lâmpadas incandescentes. 

Na realidade, as lâmpadas halógenas também são incandescentes, mas são feitas com outros materiais que permitem uma maior economia de energia e durabilidade.

Iluminação externa com balizadores

Os balizadores são um tipo de lâmpada que tem como objetivo delimitar espaços. São bons para iluminar escadas, corredores e caminhos externos, auxiliando a mostrar onde o caminho começa e onde termina.

Como fazer um projeto de iluminação externa?

Como fazer um projeto de iluminação externa

Para iniciar um projeto de iluminação externa, primeiro é necessário observar o ambiente durante a noite, a fim de compreender quais áreas poderiam se beneficiar de uma iluminação.

Antes de escolher os tipos de lâmpadas a serem usadas, é preciso compreender a planta da construção e estudar seu estilo arquitetônico, a fim de conseguir encontrar a iluminação que mais se adequa àquele ambiente.

Se necessário, conte com a ajuda de um eletricista para fazer o espaçamento entre as lâmpadas, bem como a escolha do local dos interruptores para que fiquem acessíveis.

O eletricista também pode ajudar em soluções que protejam as lâmpadas, seus cabos e interruptores de infiltrações, do calor e de outras condições que podem danificar o sistema.

Vale lembrar que, em locais abertos, não é necessário o uso de luzes muito fortes, mesmo que esteja de noite.

Ao construir um projeto de iluminação externa, é importante utilizar não apenas lâmpadas que sejam resistentes à infiltração, mas também cabos condutores que resistem à oxidação. Para isso, indica-se cabos do tipo PP, um tipo de cabo multipolar com isolação dupla.

Deve-se estar atento para a soma da potência em Watts das lâmpadas, para então escolher um cabo com o diâmetro adequado.

A seguir, você verá alguns tamanhos de cabo e a corrente que conseguem aguentar:

  • Cabo 1,5 mm²: 15,5 ampères
  • Cabo 2,5 mm²: 21 ampères
  • Cabo 4mm²: 28 ampères

Se, mesmo após essas dicas, você ainda tiver dificuldades para fazer um projeto de iluminação externa, recomenda-se contatar um profissional de luminotécnica.

Esse profissional tem o conhecimento necessário para combinar arquitetura, iluminação e, não menos importante, economia de energia.

Qual melhor iluminação externa?

Confira agora qual a melhor iluminação externa de acordo com o ambiente ou local que se deseja iluminar no jardim ou área gourmet. 

Iluminação externa para muros

No caso de muros, o ideal são lâmpadas que não sejam muito fortes e que permitam uma decoração do ambiente.

As arandelas costumam ser boas pedidas nos muros, pois além de serem uma fonte de luz indireta (o que não agride os olhos), também podem criar padrões interessantes de luz na superfície do muro.

Iluminação externa para piscina

A iluminação para piscina não necessariamente precisa iluminar os arredores da piscina. Às vezes, um fundo de piscina bem iluminado pode assegurar a visibilidade da piscina bem como destacar eventuais desenhos ou padrões que possam existir nos ladrilhos.

É importante, nestes casos, usar lâmpadas que não sofram infiltrações, ou seja, lâmpadas com certificado IP68. 

Indica-se também a utilização de projetores cuja parte elétrica fique bem protegida da água, de forma a evitar riscos maiores como choques e curtos.

Iluminação externa residencial

Iluminação externa residencial

A iluminação externa residencial pode variar bastante de acordo com o estilo arquitetônico da casa, os objetivos da iluminação, a personalidade dos moradores, entre outros.

Caso a residência não possua jardim, por exemplo, não há porque investir em postes decorativos. Nestes casos, é interessante investir em lâmpadas do tipo arandelas ou lâmpadas pendentes a fim de destacar a fachada da casa.

Já em residências com jardins exuberantes, o uso de postes decorativos, refletores direcionados e espetos podem ajudar a valorizar a paisagem, destacando as plantas e flores. Não é raro a utilização de lâmpadas esverdeadas para ressaltar o verde das plantas.

Iluminação externa empresarial

A iluminação empresarial deve ter um estilo que combine com o edifício e com os negócios feitos naquela empresa.

Além disso, pode-se usar a iluminação para destacar elementos da marca, como a logo da empresa. Alternativamente, pode-se fazer um letreiro iluminado com o nome da empresa e/ou slogan.

Quando se trata de iluminação externa de empresas, as possibilidades beiram o infinito!

Tipos de tijolos: o guia sobre o assunto + perguntas respondidas!

Conclusão

Neste artigo, você encontrou algumas ideias de como projetar a iluminação externa de uma residência ou edifício.

Esperamos que com essas dicas você consiga fazer bons projetos que tragam segurança, elegância e conforto aos usuários destes espaços.

Lembre-se sempre de ficar de olho no Blog do Max para mais dicas para a sua obra!